10 Dicas para elevar a autoestima feminina

Autoestima é uma palavra poderosa, difundida em diversos sites e redes sociais. Ela é a avaliação que uma pessoa faz de si mesma, positivamente ou negativamente, a partir de certo grau de emoções, crenças, ações, comportamentos ou qualquer outro tipo de conhecimento que ela tenha sobre si mesma.

Ela é, simplesmente, fundamental para que uma pessoa se sinta feliz e realizada, contribuindo para a sua qualidade de vida e saúde física e mental, já que a aceitação de si mesmo e o amor-próprio são fundamentais nas relações e no dia a dia.

Autoestima é uma palavra poderosa. Ela transforma as vidas as pessoas através do autoconhecimento
Autoestima é uma palavra poderosa

Desde o dia que nascemos, somos colocados em condições sociais para sermos, o tempo todo, estimado. As pessoas só vão nos amar se formos obedientes, se a gente almoçar tudo o que tem no prato, se a gente tirar as melhores notas, se tivermos um trabalho decente, se casarmos antes dos 25, se tivermos a vida financeira estabilizada antes dos 30…

Mas nós sabemos que não é bem assim- e vida não funciona desse jeito. Por isso, muitas pessoas acabam se perdendo de si mesmas nos caminhos a fim de estarem sempre cumprindo com seu “papel social”.

Com o tempo, percebemos mulheres e homens com baixa autoestima e com problemas de confiança em si mesmos. Mas é possível reverter esse quadro, continue acompanhando o nosso artigo.

O que é autoestima?

Segundo a visão psicanalítica, a autoestima está amplamente relacionada com o desenvolvimento do Ego do ser humano. Freud, que é o pai da psicanálise, utilizava a palavra “Selbstgefühl”, especificando-a em dois segmentos distintos:

  • A consciência que uma pessoa possui de si mesma (sentimento de si)
  • Vivência do valor próprio a respeito de um sistema ideal (sentimento de estima de si).

Segundo a visão dele, este segundo caso é o que hoje chamamos de Autoestima.

A autoestima faz a gente florescer de dentro pra fora
A autoestima faz a gente florescer de dentro pra fora

Mas o que isso quer dizer? Simples: a percepção que nós temos de nós a partir do modo como agimos e pensamos perante o outro, é o que gera o sentimento de superioridade ou de inferioridade, autocensura autocrítica, egoísmo e narcisismo. 

E claro: todos esses sentimentos acabam por influenciar diretamente as nossas relações e experiências sociais, bem como a nossa qualidade de vida e o bem-estar.

Quais são os pilares da Autoestima?

Existe uma abordagem psicoterapêutica para Potreck-Rose e G Jacob. E para tanto, elas dividem e classificam quatro pilares fundamentais da autoestima. Confira:

Autoaceitação

A autoaceitação, segundo as autoras, é a postura positiva que nós temos em relação a nós mesmos como pessoa. Isso faz com que a gente consiga estar em paz conosco, ou seja, respeitamos a nós mesmos, se sente em casa dentro do seu próprio corpo e está satisfeito consigo, em atitudes, sentimentos e pensamentos.

Competência Social

Nada mais é do que a habilidade de fazer contatos com outras pessoas, isso é, é saber lidar com outras pessoas e se sentir capaz nas situações mais desafiadoras que isso envolve; ter relações flexíveis, sabendo sempre dosar a distância-proximidade entre os seres, fazendo com que haja ressonância social dos atos que se tem.

Ter competência social é fundamental
Ter competência social é fundamental

Resumidamente, é a competência que eu tenho de me relacionar com as pessoas em sociedade.

Autoconfiança

A autoconfiança nada mais é do que se sentir confiante perante as posturas, atitudes e ações que tomamos no decorrer da vida, mostrando nossas capacidades e sabendo respeitar nosso próprio espaço.

Está dentro deste tópico, saber ser convicto do que se deseja, ir atrás daquilo que se espera, mesmo que haja dificuldades pelos caminhos persistindo em seu objetivo até que se consiga alcançá-lo.

Rede Social

Nesse cenário, estamos abordando o fato de conseguir relacionar-se com as pessoas de forma positiva.

Isso quer dizer que você deve conseguir ter uma relação sadia entre as pessoas, seja o seu parceiro, seja amigos, colegas de trabalho e familiares. Diz sobre estar à disposição para eles e também saber que poderá contar com eles quando precisar.

Qual a sua capacidade de fazer relações sociais?
Qual a sua capacidade de fazer relações sociais?

Isso faz com que a gente tenha a seguinte análise: A autoconfiança e a autoaceitação sustentam  a autoestima sob a dimensão intrapessoal (de mim comigo). E por sua vez, a rede social e competência social, abrange a dimensão interpessoal (de mim com o mundo).

Um tratamento que aborda a autoestima abrange esses pilares em exercícios individuais que irá fazê-lo caminhar passo a passo em diferentes pilares, de acordo com a sua necessidade.

E, não tem como trabalhar o conceito de autoestima sem citar o amor-próprio, que também acaba sendo trabalhado (ou criado, quando não há). Ele nada mais é do que o cuidado consigo mesmo. Geralmente, acaba sendo abordado sob três diferentes etapas:

  • Tornar-se consciente e atento às próprias emoções, sensações, sentimentos e necessidades, sendo elas físicas ou psíquicas;
  • Desenvolver uma relação de amor, carinho, respeito e cuidado consigo mesmo;
  • Aprender a cuidar-se o tempo todo e em primeiro lugar.

Quando falamos sobre autoestima, é necessário entender que não trabalhamos um conceito apenas. É um processo, dosado de acordo com sua necessidade– e respeitar esse processo também faz parte da terapia.

O que fazer para melhorar minha autoestima?

Como falamos acima, não é um conceito fácil. Porém algumas dicas podem te ajudar a destravar alguns gatilhos que estão impedindo você de progredir dentro desse processo. Vamos lá?

Abandone a culpa

Quem aqui nunca sentiu um sentimento quase que constante de culpa? Esse é um dos principais motivos de quem sofre com baixa autoestima. A pessoa se sente culpada por não ter feito uma tarefa (ou em alguns casos, por ter feito a mesma). É bastante comum pensar que somos os culpados de termos a vida que temos, de estar no lugar que estamos.

Abandone de uma vez por todas a culpa para ter uma melhor autoestima
Abandone de uma vez por todas a culpa

Porém, tente trabalhar a sua mente abraçando a ideia de que somos todos seres livres e não estamos condicionados a nada. E que se estamos agindo de forma danosa a nós ou ao outro, é sempre tempo de mudança. Nada é pra sempre, eterno e sempre há uma nova possibilidade de fazer diferente.

Suas experiências não são generalizadas

Não é porque você cometeu um erro ontem que você irá cometê-lo de novo amanhã. Os conceitos sobre erro e acerto que criaram para nós (ou os que nós mesmos criamos) não devem aprisionar a gente pra sempre.

Nesse sentido, estamos em constante evolução e encarar esse erro de forma madura vai te ajudar a se libertar dessa condição (e consequentemente, da culpa, que citamos acima).

Seja mais compreensiva com os seus erros

Errou? Não foi dessa vez? Bola pra frente! Infelizmente, o erro faz parte do processo de aprendizagem. É através dele que aprendemos o que precisamos mudar. Procure analisar o erro como uma nova oportunidade para o acerto.

Seja mais compreensiva com os seus erros
Seja mais compreensiva com os seus erros

Se você consegue desculpar o outro, você também consegue se desculpar, perdoar a si mesmo. Aprenda a desenvolver esse olhar mais acolhedor para você e sua jornada. Assim, perceberá que a carga vai ficar mais leve.

Não faça comparações

Sabemos que o mundo é sustentado pela competitividade. Indiretamente, isso nos faz acreditar que o sucesso está amplamente relacionado com a superação do outro, ou seja, eu sou melhor quando eu deixo o outro pra trás.

Chegou a hora de deixar de lado as comparações. Somos todos seres individuais, dotados de experiências únicas de vida, com dores e felicidades que não competem umas com as outras.

Nossa felicidade não pode e nem deve ser comparada a felicidade de outro, assim como o sofrimento.

Quando estamos falando em vida, não existe uma base sadia para comparação, estamos todos em busca de evolução. Assim, faça o que te faz bem e te deixa feliz sem se importar com o outro.

Tenha mais confiança em você

Não fique esperando que as pessoas de fora fiquem te motivando o tempo todo, te empurrando para agir. Essa motivação deve vir de dentro de você. É necessário que você aprenda a encontrar forças em si mesmo para levar sua vida para o patamar que você deseja.

Tenha mais confiança em você
Tenha mais confiança em você

Assim, você perceberá que vai ser muito mais fácil de você alcançar seus objetivos, uma vez que você já entendeu que a dona da sua vida é você. E se você acredita e confia que você é capaz, nenhum obstáculo irá conseguir te parar.

Seja sincera consigo

Sabe quando somos crianças e contamos a nossa primeira mentira? Então os nossos pais, avós, tios, professores nos dão aquele sermão, explicando o porquê mentir faz mal? O que eles não explicam é que mentir para o outro faz mal, mas mentir para si mesmo é ainda pior.

É fácil ser sincera consigo? Não. É um processo doloroso também. Você deve abraçar suas facilidades e suas dificuldades. Reconheça seus pontos fortes, mas também saiba enumerar suas fraquezas para que você consiga se posicionar de forma consciente, sem se deixar abalar pela autocrítica excessiva ou se entregar ao narcisismo.

Entenda o que melhor funciona pra ti

O que faz com que você se sinta mais autoconfiante é praticar judô? Correr 5km faz você se sentir mais disposta, se gostando e se curtindo mais? Aprender um novo instrumento musical te deixa mais realizada? Aprenda o que melhor funciona para você e aposte nisso!

Faça mais o que funciona para você e recupere sua autoestima
Faça mais o que funciona para você

Não existe uma verdade absoluta e você não precisa se encaixar na versão de ninguém. Busque sua própria verdade e saiba respeitar o seu momento e espaço.

Comemore suas vitórias

Certamente, você não chegou até aqui errando todos os dias. Só o fato de estar aqui, inclusive, já é uma vitória, algo a ser comemorado. Cada objetivo que você traçou e conseguiu alcançar deve ser comemorado como um passo a mais na sua jornada.

A sua vitória foi ir à academia todos os dias da semana? Comemore! Aprenda que não precisa ser nada extraordinário para se ter o prazer de estar vivo. 

Tenha o hábito de agradecer

Saber ser grata é ter o pensamento de atrair o melhor para sua vida e desenvolver melhores experiências. Quando a gente percebe o quanto conseguimos crescer, o quanto estamos evoluídos e quanta beleza e bondade há ao nosso redor, a vida fica mais leve.

Tenha o hábito de agradecer
Tenha o hábito de agradecer

Aprenda a ser grata pelas conquistas, pelas coisas que você aprendeu e até pelas dificuldades que você teve e tem, porque são elas que impulsionam a sua vida e fazem você se redescobrir e se reinventar a cada instante.

Viva o hoje

Existe uma fábula chinesa que fala sobre o futuro, o passado e o presente. Segundo essa fábula, o ontem é história. São pessoas, situações e momentos que devem ficar para trás e que fazem parte da nossa história. 

O futuro é um mistério, ninguém sabe o que nos espera, o que vai acontecer. Mas o hoje é uma dádiva. Temos a oportunidade de fazer acontecer as coisas na nossa vida como não temos no dia que passou e nem no que vai chegar, e é por isso que ele se chama presente.

Um dos maiores atos que você pode desenvolver para melhorar a sua autoestima é aprender a conhecer o presente, é o viver agora! Não importa o que passou, não importa o que virá: você não tem controle sobre isso.

Mas cada novo dia você tem uma nova oportunidade de fazer diferente e recomeçar, quantas vezes forem preciso. 

Autoestima é uma flor que precisa ser regada diariamente. Ela precisa de atenção, precisa de sol, tato, amor e cuidado.

Depois que ela nasce, ela se multiplica e você sente os poderes acontecendo e agindo por toda a sua vida. Aprenda a regar essa flor, amá-la e cuidá-la. Você não se arrependerá se investir em você, jamais.

Resuminhos

Sutiã com bojo

Posts Similares